12/04/2018

As farmácias públicas fornecem medicamentos de forma gratuita para a população, que podem solicitá-los, portanto consigo o cartão do SUS. Divulgado pelo Ministério da Saúde, com a reinclusão, o RENAME (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais) 2018, terá 1.098 medicamentos, 26% a mais que o ano anterior.

Cada município solicita seus medicamentos conforme a demanda, por isso é importante que todas as farmácias tenham um controle efetivo sobre seus estoques.

Elencamos 5 alternativas que podem ajudar qualquer município a gerir de forma correta e organizada a gestão de medicamentos:

1- Organização:

A organização é essencial para o bom funcionamento da farmácia. A partir dela, é possível saber qual o estoque atual, estoque mínimo necessário, quais os medicamentos que estão sendo mais solicitados, qual o período para repor e o tempo de entrega dos medicamentos.

2- Avaliação de estoque:

Outro fator extremamente importante é a realização do controle de estoque de forma periódica, para identificar quais medicamentos são mais procurados pela população. A partir dessa avaliação é possível saber sempre a hora e quantidade de repor.

3- Aquisição de medicamentos:

Com o controle da saída de medicamentos e com os relatórios gerenciais, o município ganha eficiência para avaliar seus estoques e agilidade para realizar os próximos pedidos de medicamentos, sem causar transtornos e trabalho dobrado.

4- Comunicação:

No município existem vários locais de atendimento, onde são distribuídos os medicamentos aos pacientes. Esses locais precisam ter uma comunicação efetiva sobre seus estoques, solicitar em tempo hábil e colaborar um com o outro caso ocorram faltas de medicamentos em um determinado local.

5- Software de Gestão:

O Software viabiliza a organização das rotinas envolvendo a Saúde Pública. É por meio dessa ferramenta que será possível controlar estoques de medicamentos para melhor gerir as farmácias e não faltar a medicação necessária para atender a população. Usar um Software com rotinas integradas, irá permitir o controle do fluxo de dispensação e utilização dos medicamentos, o qual garante não faltar medicamentos e visa redução dos custos com compras desnecessárias para o município.

No Sistema IDS Saúde, é possível fazer a Gestão de Medicamentos, através do módulo Estoque, onde os profissionais da Central de Medicamentos, cadastram todo o medicamento recebido, para posteriormente transferir aos demais locais de atendimento. Os medicamentos são cadastrados no sistema com todos os seus dados necessários: controle por lote, validade, quantidade, dentre outros dados que proporcionam o fluxo adequado nos processos de movimentação desses medicamentos. Além disso, é possível emitir vários relatórios gerenciais que irão auxiliar os profissionais na organização e controle dos estoques.

O Sistema permite ainda por meio de telas de acompanhamento e alertas, informar ao profissional que está utilizando as rotinas de estoque, se o medicamento está em falta na Unidade de Saúde ou quando ele está no prazo de validade. Dessa forma a Central de medicamentos se compromete em solicitar uma nova remessa de medicamentos a tempo de atender a demanda do município.

A utilização desses controles através do Sistema é uma mudança simples e significativa, que transforma o município e toda a esfera governamental.

 

5 alternativas simples para controle de medicamentos no SUS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *