26/03/2019

Últimos dados do Ministério da Saúde indicam alta de 149% no total de casos prováveis da dengue no País.

As ações de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti são permanentes.

Desde o momento da identificação do vírus Zika no Brasil e sua associação com os casos de malformações neurológicas, o governo federal mobilizou todos os órgãos federais (envolvendo ministérios e demais entidades) para atuar de forma conjunta.

Também contando com o apoio e a participação dos governos estaduais e municipais na mobilização de combate ao mosquito que é o vetor de diversas doenças.

Todas as ações necessárias são gerenciadas e monitoradas pela Sala Nacional de coordenação e Controle para enfrentamento do Aedes que atua em conjunto com outros órgãos, como o Ministério da Educação; da Integração, do Desenvolvimento Social; do Meio Ambiente; Defesa; Casa Civil e Presidência da República.

Esta Sala Nacional é responsável por articular com as Salas Estaduais e Municipais as ações de mobilização, além de monitorar os ciclos de visita aos imóveis urbanos no Brasil, que são vistoriados pelos agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias.

O combate ao mosquito

Tendo em vista o fato de que o combate ao Aedes aegypti dura o ano todo, com destaque durante o verão, já que é a época que o mosquito se reproduz mais facilmente, a interação entre os diversos setores ajuda e muito neste trabalho de combate.

Vale ressaltar que cada município é convidado a criar a sua sala de situação, seguindo o modelo das salas estaduais e nacionais.

Já foram instituídas 2.166 salas municipais no país.

O Ministério da Saúde oferece de forma contínua aos estados e municípios, apoio técnico e fornecimento de insumos, como por exemplo; larvicidas para o combate ao vetor, além de veículos para realizar os fumacês, e testes diagnósticos, sempre que solicitado pelos gestores locais através das vistorias e visitas feitas nas áreas da cidade.

O Aedes aegypti é um mosquito doméstico, que vive dentro de casa e perto do homem.

Ele tem hábitos diurnos, o mosquito se alimenta de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer.

A reprodução acontece em água limpa e parada, a partir de ovos postos pelas fêmeas.

O mosquito Aedes Aegypti é uma verdadeira endemia para a população brasileira, isso porque ele é o vetor de diversas doenças, como: Dengue, Zika, chikungunya e microcefalia.

Não existe tratamento específico para nenhuma destas doenças.

Isso significa que a prevenção é a única solução para erradicar as mesmas.

Prevenção/Proteção

  • Utilizar telas em janelas e portas, aplicando repelente nas áreas expostas do corpo (não cobertas por roupas).
  • Dar preferência para permanecer em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis.

Cuidados

  • Ter cuidado com água parada em qualquer tipo de recipiente ou ambiente em sua casa, apartamento ou terreno.
  • Caso você observe o aparecimento de manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados ou febre, busque um serviço de saúde para atendimento.
  • Não tome qualquer medicamento por conta própria.
  • Procure orientação sobre planejamento reprodutivo e os métodos contraceptivos nas Unidades Básicas de Saúde.

Portanto é muito importante que as famílias, indivíduos e comunidades inteiras sejam mobilizadas a fim de eliminar a água parada, ajudando, desta forma, a combater os focos que podem virar criadouro do Aedes aegypti, em busca da erradicação deste mosquito, vetor de tantas doenças.

IDS como aliada no combate de endemias como as causadas pelo mosquito Aedes Aegypti

A IDS, tendo em vista que endemias são um problema grave que demandam uma solução decisiva, desenvolveu o APP Endemias, para ajudar no combate de endemias como as que são causadas pelo Aedes Aegypti.

Endemias – O App ideal para seu agente de endemias

Através do aplicativo Endemias, seu Agente de Endemias (ACE) tem acesso ao planejamento da vigilância e às reclamações da população, para vistorias mais rápidas e buscando evitar o retrabalho!

  • Controle de visitas por QR Code;
  • Informações sincronizadas no aplicativo;
  • Importação de locais para vistorias e exportação de visitas realizadas;
  • Registro para controle de focos de Aedes Aegypti e Aedes Albopictus.

IDS como aliada no combate de endemias

A IDS, possui sistemas para trabalhar junto aos Agentes Comunitários, sejam eles de Saúde, de Vigilância Sanitária ou como neste caso, de Endemias (ACE).

O aplicativo para Tablets, é fundamental para combate e controle de mosquitos.

É possível fazer o registro dos locais identificados com focos de mosquito; criar um acompanhamento de cada residência visitada, através de QR Code; exportar informações para o sistema de saúde IDS para controle e acompanhamento efetivo; e muito mais.

Através do aplicativo IDS Endemias, o Agente tem acesso ao planejamento da vigilância e às reclamações da população, para vistorias mais rápidas, buscando evitar o retrabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *