07/02/2020

Existem muitas especialidades médicas para o atendimento ao público, que vão além do clínico ou cirurgião geral.

Temos cardiologistas, Pediatras, Neurologistas, Ortopedistas, Ginecologistas, Psiquiatras e muito mais.

A questão é que a necessidade de atendimento destas especialidades dentro do SUS tem aumentado exponencialmente nos últimos anos.

E isso acaba gerando uma dor de cabeça para o gestor da secretaria da saúde: Longas filas de espera e a procura de uma solução para elas.

Surge então, a necessidade da implantação de estratégias para diminuir o gargalo da especialização dos médicos.

A fim diminuir as filas de espera, e organizar todo o processo. 

Se perguntando quais estratégias podem ajudar, você gestor, a deixar de se preocupar com esse tipo de situação?

Confira as estratégias a seguir para gerir a demanda por especialidades na gestão pública de saúde do seu município: 

1- Capacitação dos profissionais

As estratégias para os níveis de atendimento na saúde pública são o início do processo para resolver este problema.

Porém, para que isso seja efetivamente uma solução, é necessário capacitar os profissionais responsáveis pelo nível primário e secundário. 

Destacamos o nível primário, responsável pelas ações preventivas relacionadas à saúde pública. Afinal de contas, quanto menos doentes existirem, menores serão as filas de espera. 

O desenvolvimento de ações eficazes no nível primário só será possível se os profissionais envolvidos estiverem capacitados para lidar com as situações em pauta. 

2- Implantação de protocolos de atendimento

A implantação de protocolos de atendimento ao cidadão padroniza os processos, e torna a gestão muito mais eficiente.

Para implantar protocolos é necessário fazer uma análise de todos os tipos de atendimento feitos atualmente, encontrando gargalos e soluções para eles.

Converse com sua equipe, e procure entender quais problemas são mais comuns, encontrar a fonte do problema ajudará a encontrar uma forma de evitar que ele volte a acontecer. 

3- Utilização do Prontuário Eletrônico

O Prontuário Eletrônico (PEC), além de digitalizar as informações do paciente e facilitar a transmissão dos dados para o governo federal, a ferramenta tem potencial para otimizar a gestão de Saúde Pública.

O modelo do PEC consiste na aplicação de tecnologias de microgestão dos serviços de Saúde.

Seu propósito é assegurar bons padrões de atendimento aumentando a eficiência de sua equipe, melhorando a qualidade do atendimento à saúde.

O PEC auxilia na execução dos atendimentos no cotidiano das unidades de Saúde pública.

Através dele, é possível acompanhar os indivíduos que fazem parte de grupo de risco para a uma doença específica, por exemplo.

Dessa forma todos são monitorados, e a equipe fica a par da condição clínica destes. O que evita que aconteçam complicações que requerem o atendimento de especialistas. 

4- Contar com um Sistema de gestão pública em saúde

Um sistema de gestão especializado em saúde pública pode organizar todos os processos dentro de um call center, e torná-los mais ágeis.

A padronização se torna mais fácil de ser implantada, assim como o acesso às informações.

Um sistema de gestão com o prontuário Eletrônico se torna ainda mais interessante, uma vez que as informações ficam centralizadas com completo, em um só lugar.

Outra grande vantagem de um sistema de gestão é o controle dos processos, que se torna mais consistente nas mãos do gestor. 

A informação unificada e compartilhada evita o retrabalho de toda a sua equipe. 

Contar com um software de gestão de saúde pública traz muitas vantagens para uma secretaria de saúde.  

Conte com todas as vantagens através das funcionalidades do IDS Saúde!

Estratégias para gerir demanda por especialidades na gestão de saúde pública

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *